POR QUE SEUS CREMES PARECEM PERDER EFEITO APÓS ALGUM TEMPO DE USO E O QUE FAZER

POR QUE SEUS CREMES PARECEM PERDER EFEITO APÓS ALGUM TEMPO DE USO E O QUE FAZER

SE SEU CREME ANTI-IDADE ESTÁ POR UM TRIZ, DESCUBRA O QUE PODE SER FEITO PARA GARANTIR A EFICÁCIA

Por Holding Comunicações


Toda boa relação tem começo, meio e (muitas vezes ‘infelizmente’) um fim. Nesse sentido, você já deve ter notado que aquele produto antissinais fantástico que você comprou há seis meses agora não é tão bom assim. Chegou a hora do término? Você ficou mais exigente ou sua pele enjoou dele? 

Embora o mercado de cuidados com a pele ofereça muitas tentações, há também outro problema em jogo: nossos produtos deixam de ser tão eficazes quanto no início. 

“Um produto anti-idade tem três estágios de funcionamento: a fase inicial é de adaptação da pele, que pode durar algumas semanas. A segunda etapa é de efeito terapêutico, que pode durar semanas ou meses. A terceira fase é de tolerância, quando o ativo pode parar de trazer benefícios com uso contínuo."

Taquifilaxia

Existe um termo farmacológico para isso: é a ‘taquifilaxia’”, diz a Dra. Roberta Padovan, médica pós-graduada em Dermatologia e Medicina Estética. O termo foi originalmente usado para descrever a tolerância que nossa pele desenvolve aos esteróides tópicos, mas especialistas também descobriram que se aplica a outros ingredientes de cuidados da pele encontrados em uma rotina diária típica. “Taquifilaxia é quando a pele atinge sua tolerância com um produto e você precisa cada vez mais de um determinado ingrediente ativo para obter os mesmos resultados”, completa a médica.

A introdução de fórmulas tão potentes em nossos regimes de cuidados com a pele geralmente vem com um aviso dos médicos para ir devagar para permitir que a pele se adapte. “Passamos meses construindo nossa tolerância ao retinol e, uma vez que a vermelhidão se acalma e a descamação diminua, comemoramos por ter uma nova pele tolerante a retinóides, mas ficamos desapontados quando não conseguimos aumentar a porcentagem. Isso não é um sinal de que o retinol é ineficiente, mas sim de que a pele se fortaleceu e agora está trabalhando com mais eficiência. Embora desejemos que os produtos melhorem nossa pele, eles só conseguirão fazê-lo em um nível natural; então, seu papel passa a ser de manutenção. Sua pele não vai agradecer por cortar e mudar o tempo todo, ela gosta de consistência e rotina. Mas os efeitos mais poderosos devem vir junto com os tratamentos médicos”, explica a Dra. Roberta.

Mas não é necessário mudar os produtos de cuidado com a pele a cada mês. Embora a fidelidade ao produto possa estar diminuindo, coisas boas acontecem para aqueles que esperam. 

“Em média, um ciclo cutâneo dura de cinco a seis semanas. Qualquer coisa antes disso significa que as novas células ainda não tiveram a chance de amadurecer, subir à superfície e cair. Portanto, sempre sugiro esperar pelo menos seis semanas antes de trocar os produtos - até que um ciclo de pele seja concluído, você não verá os efeitos”, explica a médica.

Embora seja um tempo razoável para se familiarizar com um novo hidratante ou limpador, a médica recomenda jogar o jogo longo para retinóides, peptídeos e fatores de crescimento: “Alguns estudos apontam que o retinol produz colágeno e melhora rugas após seis meses de uso, sem perda da eficácia. Mas no geral, esses ingredientes levam cerca de nove meses para que possamos ver os verdadeiros resultados desses ingredientes. Sua pele gosta de consistência, então mesmo que você sinta vontade de ‘sacudir’ toda sua rotina de cuidados, faça isso gradualmente, trocando um produto por vez.”

Por isso, é importante visitar regulamente o médico. “A grande maioria dos estudos com ativos antissinais é feito por um curto período de tempo e o resultado final é avaliado em algumas semanas. Então, o que conta nesse caso é a prática clínica do médico para notar se houve o processo de tolerância da pele em relação a determinado ativo”, explica a médica, fazendo uma ressalva: 

“Os protetores solares não têm essa tolerância, mesmo se usarmos um fator 50 cronicamente, ele não vai deixar de agir e nem reduzir seu efeito.”

Para aumentar a eficácia do tratamento anti-idade, a Dra. Roberta Padovan ressalta que o ideal é buscar ajuda médica para potencializar os resultados, por meio de tratamentos como radiofrequência microagulhada, lasers, ultrassons e injetáveis.,

Mas existem algumas tecnologias cosméticas que são excelentes para sofisticar a rotina skincare e dar um up no tratamento, afastando o efeito platô. São elas: a nanobiotecnologia, os cosméticos biomiméticos, produtos com peptídeos, os probióticos, produtos concentrados e ativos ‘like effect’.

Nanobiotecnologia – A Nanobiotecnologia está relacionada às estruturas, prioridades e processos envolvendo materiais com dimensões em escala nanométrica. Essas partículas promovem muitas vantagens em relação às formulações tradicionais. Refere-se à utilização de pequenas partículas contendo princípios ativos que são capazes de penetrar nas camadas mais profundas da pele, potencializando os efeitos dos produtos. De forma geral, as vantagens das nanoemulsões estão relacionadas à penetração na pele já que, devido a suas dimensões reduzidas, as nanoemulsões podem adentrar na superfície, melhorando a penetração de ingredientes ativos. Com textura leve e absorção rápida, o Be Shiny, da Be Belle, é um creme clareador para a área dos olhos e que conta com uma fórmula inovadora ao combinar sinergicamente 4 ativos bionanotecnológicos capazes de estimular a produção de colágeno, melhorar a rede vascular, hidratar a pele delicada dos olhos e ainda conferir efeito lifting e ação antioxidante, antifadiga, anti-inflamatória, preenchedora, antiglicante e drenante.

Cosméticos Biomiméticos – Estudos têm mostrado que a utilização de fórmulas biomiméticas, como em cremes faciais, por exemplo, minimiza a irritação e aumenta efetivamente a hidratação da pele. Mas o que é isso afinal? Nos produtos, a indústria pode utilizar peptídeos biomiméticos a fim de desempenharem funções semelhantes às do organismo. Em outras palavras, quando as células deixam de exercer sua função adequadamente, os ativos biomiméticos entram em cena para atuar em receptores específicos e simularem ações do organismo. Existem ativos com essa função, como B-White, TGP-2, Matryxil Sinthe 6.

Peptídeos – São cadeias curtas de aminoácidos e são os blocos de construção das proteínas. Quando derivados de Fatores de Crescimento, eles encontram-se na forma mais concentrada e são responsáveis pela comunicação celular — que faz com que o tecido desempenhe suas funções. As proteínas mais conhecidas na pele são colágeno, elastina e queratina, que são responsáveis pela sua textura e tom da pele. Vale lembrar que o colágeno é a principal proteína do nosso corpo; já a elastina é responsável pelas fibras que dão suporte ao colágeno e mantém a pele coesa e aderida evitando a formação de rugas e flacidez. Dois peptídeos importantes respondem pelo nome de: Alistin e EvenSkin A3. “Alistin é um peptídeo biomimético da carcinina que atua na neutralização dos radicais livres e também dos malefícios do açúcar. EvenSkin A3 é uma associação de peptídeos que têm a função de diminuir a formação de manchas e também a glicação (açúcar se liga no colágeno), uniformizando o tom da pele”, conta a farmacêutica Maria Eugênia Ayres, gestora técnica da Biotec Dermocosméticos.

Probióticos tópicos – São micro-organismos vivos, administrados em quantidades adequadas dentro de um cosmético e que conferem benefícios à saúde da pele. Muito se sabe dos benefícios dos probióticos ao bom funcionamento do organismo, porém, recentemente, as chamadas ‘bactérias do bem’ passaram a ocupar espaços também nos potes de creme e são indicadas para tratamento da acne, rosácea, envelhecimento e dermatite. Alguns desses probióticos têm eficácia comprovada na prevenção do fotoenvelhecimento, devido às suas atividades antioxidantes e imunomodulatórias, e eficácia significativa na cicatrização de feridas.

Ativos “Like Effect” – Os ativos “like” têm ação muito similar ao parâmetro, sendo muito bem aceitos pela pele. Eles têm a vantagem de serem menos irritantes. Como exemplo temos a Vitamina D Like (Vederine), que exerce papel imunológico; Retinol Like (Revinage), conhecido por suavizar e preencher rugas, estimulando a síntese de colágeno; e o ativo com efeito Corticoid-like (extrato glicerinado de Physalis angulata), chamado Ecophysalis, que promove ação anti-inflamatória e anti-irritante das peles sensíveis.

Produtos hiperconcentrados – As novas formulações necessitam de pouca ou nenhuma porcentagem de água, sem perder a eficiência. No Brasil, quando se fala na produção de cosméticos, mesmo os que o mercado classifica como concentrados podem levar até 80% de água em sua composição. Essa alternativa de substituição da água já é uma realidade viável para algumas empresas, que apresentam séruns de tratamentos faciais e corporais altamente concentrados, com até 99% de ativos na composição, sem adição de água.

Gostou? Compartilhe: