A PSICOPEDAGOGIA E A INTERNET

Vera Lúcia Seleto

A PSICOPEDAGOGIA E A INTERNET

Nesses tempos de pandemia temos que nos resguardar. Sabemos que aglomerações grandes ou pequenas são ameaças à nossa saúde. Diante disso, a cautela é a decisão mais sábia que podemos ter.
 

Quanto às crianças, de forma coletiva, devemos protegê-las, colocando-as em ambientes seguros, com o menor contato possível com parentes, amigos, e até professores e colegas.

Nos consultórios, quando inevitável, estamos realizando as avaliações psicopedagógicas, a anamnese com diagnóstico, e, tratamento para dificuldades e distúrbios de aprendizagem – para o baixo rendimento escolar e para determinadas patologias, tais como:

• Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade – TDAH;
• Dificuldades na leitura, ortografia e linguagem escrita - Dislexia
• Dificuldades na compreensão e expressão verbal – Disgrafia;
• Dificuldades na noção de números – Discalculia;
• Desordem e Déficit de Atenção – DDA.

Esta fase está ficando longa demais, mexendo com o psicológico de todos, crianças irritadas, insatisfeitas e carentes de calor humano. A vida segue e ficam as perguntas: “Como adequar a vida escolar, os estudos, as aulas de reforço? E os encontros psicopedagógicos tão necessários para quem precisa de ajuda? Os tratamentos? Perguntas que incomodam os pais.

Através de um artifício gratuito oferecido via internet, bastante utilizado, é que muito dos acolhimentos profissionais vêm se realizando, videoconferências entre paciente e profissional, no formato individual ou em grupo.

Assim, através da internet, estamos atendendo crianças no fazer das tarefas de casa, na explicação das lições dadas na semana, e em tudo o que é necessário – sempre a pedido do responsável.

Gostou? Compartilhe: