BRINCAR AINDA É O MELHOR PARA SE DESENVOLVER

Andréa A. Alves Poles

BRINCAR AINDA É O MELHOR PARA SE DESENVOLVER

O respeito e o apoio aos momentos lúdicos são essenciais à vida do futuro adulto.
 

A infância é a fase onde se adquire inúmeras habilidades motoras e sensoriais, e, se aprende a organizar as respostas aos estímulos do ambiente. Brincar é estimular a musculatura, o sistema cognitivo, a coordenação, a organização e a interação social. Deve estar presente no cotidiano de qualquer criança, a sua ausência traz impedimentos no desenvolvimento infantil. 

Na brincadeira lúdica a criança explora o mundo e vivencia novas experiências, o que é essencial para a construção da personalidade e desempenho ocupacional - cultiva capacidades, habilidades, interesses e hábitos de competição e cooperação, necessários para a vida adulta.

E o explorar das possibilidades, com as mãos, com os pés descalços, o brincar livre, o permitir a imaginação e capacidade de criar das crianças só é possível num ambiente livre de recursos eletrônicos.

As crianças criativas de hoje, podem ser os profissionais inovadores de amanhã. E para que isso aconteça, vejamos algumas dicas da terapia ocupacional:

  • prepare um ambiente estimulante, rico em brincadeiras, brinquedos, jogos, livros e música;
  • use de desafios, dê espaço e mostre que você está junto dela, sem resolver, mas sim com apoio;
  • leve seu filho a outros lugares e culturas. Novos ambientes, lugares e pessoas aguçam a curiosidade e a imaginação – é um conhecer algo novo ou criar um novo olhar para um ambiente já conhecido;
  • incentive a arte da pergunta, encoraje, reconheça e valorize suas ideias e expressões;
  • disponha do recurso do tempo, para brincadeiras desestruturadas, lúdicas e criativas;
  • torne sua casa um lugar de criatividade, com atmosfera criativa. Peça sugestões e dicas às crianças sempre que possível. Encoraje os pequenos a cometer erros e falhar. Crianças com medo de errar ou de serem julgadas vão podando seu pensamento criativo.

    Outro ponto, a criança precisa do ócio, até os seis anos, pelo menos. É nos momentos de tédio que ela desenvolverá suas ideias, imaginação e o entusiasmo por seus próprios projetos – mesmo que apenas no pensamento.

    A intervenção do terapeuta ocupacional trabalha esse desenvolvimento como um todo, desde a educação, emoções, desejos, habilidades até a organização do tempo e conhecimento do corpo em atividade. Toda criança aprenderá e se desenvolverá quando interagir com o mundo, com as informações que lhe chegam pelos sentidos, através do lúdico. É assim que o brincar marca o imprescindível papel da prática terapêutica ocupacional - voltada ao doce momento infantil da vida.

Gostou? Compartilhe: