HIPERTENSÃO ARTERIAL EM CRIANÇAS

Juliana Vianna A. Cardoso

HIPERTENSÃO ARTERIAL EM CRIANÇAS

A hipertensão arterial é problema de saúde pública mundial e não é diferente no nosso país.
 

Sabe-se haver aumento da prevalência mundial também de casos pediátricos principalmente associados ao aumento de sobrepeso e obesidade nessa faixa etária. 

Considera-se hipertensão arterial na infância e adolescência, valores de pressão arterial sistólica e/ou diastólica iguais ou superiores ao percentil 95 para sexo, idade e percentil da altura em três ou mais ocasiões diferentes. 

Todas as crianças maiores de 3 anos devem ter a sua pressão arterial – PA -  medida pelo menos uma vez por ano. Para as crianças menores de 3 anos, a avaliação da PA está indicada em condições especiais. As crianças maiores de 3 anos ou adolescentes que sejam obesos, tomam medicamentos que podem elevar a PA, têm doença renal, ou são diabéticos a pressão arterial deve ser medida em cada consulta médica. 

O ideal é que a criança esteja sentada ou deitada, tranquila, descansada por mais de 5 minutos, com a bexiga vazia e sem ter praticado exercícios físicos há pelo menos 60 minutos. O paciente deve estar deitado ou sentado, com pernas descruzadas, pés apoiados no chão, dorso recostado na cadeira e relaxado; com o braço ao nível do coração, sendo preferencial o braço direito, para ser comparável com as tabelas padrão. 

Habitualmente as crianças e adolescentes hipertensos são assintomáticos. 

A terapêutica inicial, na maioria dos casos, é não medicamentosa, prezando, principalmente, pela atividade física e dieta; e mesmo naqueles em que o tratamento medicamentoso é iniciado, preconiza-se manutenção das recomendações para mudanças do estilo de vida. 

A missão dos pediatras é garantir o crescimento e desenvolvimento adequados da criança para que se torne um adulto saudável, detectando-se doenças de curso crônico na vida adulta, mas que já tenham a sua origem na infância.

 

Fonte: Manual de orientação - Departamento científico de nefrologia - Sociedade Brasileira de Pediatria

Gostou? Compartilhe: