OBESIDADE. É APENAS UMA QUESTÃO DE EXCESSO DE PESO?

Victor Pozzi Loverso

OBESIDADE. É APENAS UMA QUESTÃO DE EXCESSO DE PESO?

A obesidade e suas decorrências, superáveis pelos novos medicamentos e ou cirurgia.
 

A obesidade é uma condição física onde há o acúmulo excessivo de gordura pelo corpo, invariavelmente com um impacto negativo sobre o estado geral de saúde da pessoa, com relativo aumento da possibilidade da ocorrência de doenças, tais como as notoriamente conhecidas hipertensão arterial, diabetes e o câncer.

Estimativas no mundo todo apontam que as taxas de obesidade triplicaram nos últimos quarenta anos. Entre os países, considerando a população adulta, chega a atingir em torno de seiscentos milhões de pessoas, e no Brasil, esse número gira em torno de trinta e oito milhões de pessoas em média, o que corresponde a quase 20% da nossa população.

Hoje sabemos, com o aprimoramento das técnicas, que o tratamento da obesidade é complexo, e, deve envolver a tal equipe multidisciplinar, composta por diversos profissionais tais como médico, nutricionista, psicólogo, fisioterapeuta, entre outros. As pessoas podem ser tratadas com medicações e ou cirurgias. O tratamento clínico, com remédios e boas mudanças no estilo de vida, reduz em média até 10% do peso corporal. Já um tratamento cirúrgico reduz 30% desse peso.

Além da perda de peso, a cirurgia bariátrica demonstra benefícios excelentes na prevenção e tratamento de doenças crônicas, as relacionadas à obesidade.

Uma das principais doenças correlacionada à obesidade é o diabetes tipo 2. A cirurgia bariátrica, que impacta diretamente no metabolismo, é capaz de induzir a remissão do diabetes tipo 2 em até 90% dos casos. Sucesso impossível de ser alcançado com o tratamento clínico ambulatorial e outros.

Com o advento de novas tecnologias, a cirurgia bariátrica mostra-se cada vez mais segura, e com baixo risco de complicações. Hoje temos a cirurgia videolaparoscópica, que é o protocolo padrão para esse tipo de intervenção. Como benefício desse procedimento, a menor dor pós-operatória, um menor tempo de internação hospitalar, e, o retorno precoce às atividades do dia a dia.

Gostou? Compartilhe: