ADOLESCÊNCIA

Emanuele Mendes

ADOLESCÊNCIA

A importância do estar presente na vida dos nossos jovens.
 

Hoje em dia ouvimos muito que “algumas coisas são normais...”, ou, simplesmente “é que faz parte...”. Mas não. Não podemos ter um olhar de normalidade para tudo, pois com essa visão, podemos gerar um certo estado de comodidade, e às vezes os problemas estão dentro do nosso lar - não conseguimos enxergar.

Nos últimos tempos, estamos vendo notícias arrasadoras de desastres, feminicídios e massacres em escolas causados por jovens. Sim, adolescentes. A questão aqui não é achar um culpado, muito menos adentrar nessas questões, mas falar um pouco dos nossos adolescentes, que muitas vezes dão sinais de alerta, gritos de socorro e nós não percebemos.

É do conhecimento de todos, é notório, que vivemos numa era digital, onde a tecnologia domina o mundo, e as redes sociais costumam ser um “mundo” de muitos, de muitos adolescentes. E nós todos estamos expostos, de forma exagerada ou não, mas todos estamos. É por isso que temos que ficar “de olho”. A vida digital pode mostrar indícios de que alguma coisa deve estar errada, pelas coisas postada, as fotos, imagens, frases, os comentários. No mínimo pode demonstrar um desabafo, pode ser ainda um forte pedido de ajuda. 

Atenção também para outros comportamentos, para o isolamento, ou dificuldade de socializar, horas dentro de um quarto, falta de apetite e/ou compulsão alimentar, a irritabilidade e ou desânimo, um pouco de euforia e baixo rendimento escolar – esses, alguns dos sinais de que alguma coisa não está indo bem.

Aos pais e cuidadores cabe observar mais de perto o desenvolvimento e a vida dos nossos adolescentes, ser mais presente e não suprir a ausência com mimos. É importantíssimo o diálogo, o escutar, carinho, compreensão, e se for necessário, ir em busca de uma ajuda profissional, afinal, uma psicóloga especialista em crianças e adolescentes tem a capacitação para trabalhar com essa fase tão difícil, cheia de conflitos, dúvidas, mudanças, tomadas de decisões, entre tantos outros processos presentes por que passa a fase.

Tudo o que queremos saber encontramos na internet, mas, nem tudo é considerado muito bom. Os dados, as informações feitas estão fáceis, o acesso é instantâneo, portanto devemos agir rápido também. Não tem como desconectar nossos jovens e nem nossas vidas, mas podemos ficar mais próximos, aprender a estar mais perceptivos. E é assim também com as amizades, existem as boas e as más influências. Só fazendo parte da vida de nossos jovens vamos conseguir ajudá-los em suas importantes escolhas que precisam fazer.

Gostou? Compartilhe:

Emanuele Mendes

Emanuele Mendes

CRP 06/109101

Psicóloga em Terapia Cognitivo Comportamental;
Pós-Graduada e Especialista em Orientação Profissional;
Especialista em Terapia Infantil;
Aplicação de testes WISC e WAIS;

Auriculoterapia Francesa
Psicoterapia Online

Crianças | Adolescentes | Adultos

Rua Luiza Meneghel Mancini, 72, Jardim Paulista | Americana

Telefone

(19) 99128.8837

Ver mais sobre: Terapia CognitivoComportamental, Emanuele Mendes, Adolescência, adolescentes, jovens, saúde emocional, feminicídios, era digital, isolamento,