A IDADE DO SEU PET, A EXPECTATIVA DE VIDA DE CÃES E GATOS

Salete Rodrigues Candido

A IDADE DO SEU PET, A EXPECTATIVA DE VIDA DE CÃES E GATOS

Para além dos fatores genéticos, o trato do tutor pode ampliar os anos de companheirismo.

No dia a dia do médico veterinário é comum ouvir as seguintes perguntas: “... doutor é verdade que minha cachorrinha já é velhinha?”, “... doutor meu gatinho já tem nove anos, quanto tempo ele irá viver?”, “... doutor quanto tempo essa raça vive?”. 

São perguntas frequentes. Geralmente o senso comum das pessoas tende a comparar a expectativa de vida dos nossos amiguinhos com a nossa expectativa de vida. Com isso, muitos tutores ficam inconformados quando doenças relacionadas a velhice aparecem nesses companheiros.  “... ele tem dez anos só doutor, como pode ter problemas de artrose e artrite?”, “... mas doutor, meu gatinho tem câncer tão novo, só treze anos”.

Para entender a relação do nosso tempo com a expectativa de vida que um outro ser vivo pode ter é preciso entender um pouquinho mais a biologia. Há diferentes expectativas de vida entre as espécies de seres vivos, umas com mais e outras com menos anos. Como exemplos extremos podemos citar a espécie de árvore, a sequoia-gigante americana, cujo representante mais velho tem mais de quatro mil anos de vida, ou, noutro extremo, a fêmea adulta de uma mariposa, que pode viver menos de 24 horas.

Essas diferenças estão relacionadas à evolução da espécie, à carga genética adquirida, às mudanças que as espécies podem sofrer ao longo do tempo, devido pressão da seleção natural, predadores, o acesso à comida, água, doenças, enfim, a ação do meio ambiente sobre uma determinada população. 

Fases da vida de cães e gatos 

Cães
Com cães foi feito um estudo, norte americano, realizado pela Associação Americana de Hospitais de Animais – AAHA, intitulado Canine Life Stage Guidelines, estabelecendo estágios. Nos caninos, as diferentes raças e tamanhos estão diretamente relacionadas à expectativa de vida, assim como o tempo que permanecem em cada fase. Um Pinscher, por exemplo, vive mais que um São Bernardo ou um Pastor Alemão. Assim o grupo de estudo propôs uma divisão, como abaixo. 

Fases da vida canina 

1º. Filhote: do nascimento até maturidade reprodutiva
2º. Júnior: Maturidade reprodutiva, ainda crescendo
3º. Adulto maduro: estruturalmente e socialmente
4º. Maduro: quando já atingiu 50 a 75% da expectativa de vida
5º. Sênior: quando já atingiu 75 a 100% da expectativa de vida
6º. Geriatra: quando já passou de 100% da expectativa de vida 

Expectativa por porte canino

Raças pequenas: na faixa de nove a treze anos
Raças médias: na faixa de nove a onze anos
Raças grandes: na faixa de sete anos e meio a dez anos e meio
Raças gigantes: na faixa de seis a nove anos 
Exemplo: um São Bernardo é uma raça gigante, pesa mais de 45 kg, a expectativa de vida média é de seis a seis anos e meio. Assim dos seis aos nove anos esse amigão estará na fase Geriatra - requerendo cuidados especiais. 

E os nossos amigos felinos? 
Eles ao contrário dos cães têm as fases da vida bem divididas e estabelecidas, também conforme estudo da Associação Americana de Hospitais de Animais – AAHA, intitulado Feline Life Stage Guidelines. Os especialistas estabeleceram parâmetros para os felinos, conforme as fases abaixo. 

Fases e expectativa da vida felina.

1º. Filhote: do nascimento aos seis meses
2º. Júnior: de sete meses a dois anos
3º. Adulto: de três a seis anos
4º. Maduro: de sete a dez anos
5º. Sênior: de onze a quatorze anos
6º. Geriatra: mais de quinze anos 

 

 Além das fases da vida já pré-definidas pela genética, também há variação na expectativa de vida que dependerá de fatores ligados aos tutores, podendo aumentar a vida dos nossos amiguinhos. 
 

  • A prevenção da saúde, que incluí levar ao veterinário periodicamente para fazer os checkups e a vacinação;
  • Evitar acesso à rua sem acompanhamento, diminuindo assim os riscos de atropelamentos, acidentes e contato com doenças infectocontagiosas - esse tópico é de extrema importância para os gatinhos, que buscam livre acesso à rua;
  • Alimentação boa e de qualidade - prevenção contra a obesidade;
  • Acesso a água limpa, e, higiene no ambiente;
  • Estes fatores são essenciais para uma vida longa e tranquila. Com o avanço da medicina veterinária e da maior preocupação dos tutores com seus animais de estimação, é expressivo o número de pets vovozinhos na fase geriátrica visitando nossos consultórios.

 

Conhecer cada fase de vida dos nossos pets é muito importante, cada uma delas tem suas peculiaridades e, infelizmente, doenças predominantes. Além da idade genética, o prolongar do tempo em que nossos amiguinhos estarão conosco, assim como sua qualidade de vida, irá depender bastante dos nossos cuidados - da fase júnior até a fase geriátrica.

Converse com seu médico veterinário, leve seu amiguinho para consultas de rotina. Ele merece estar feliz, saudável, e, continuar curtindo a vida ao seu lado.

Médico Veterinário Edimarco Pansani | CRMV/SP 37651

Gostou? Compartilhe: